Saúde mental, mitos e preconceitos – Depressão

Enviado em 14 de maio de 2014, sob Psicanálise, Sentido de vida

“Os mitos em relação aos problemas de Saúde Mental são responsáveis por enorme medo e vergonha e isso contribui para que muitas pessoas que necessitam de ajuda, não busquem tratamento por falta de conhecimento […] Já existem diversos tratamentos eficientes  para muitos problemas mentais (ansiedade, depressão, medos patológicos, pânico, fobias). Porém, as pessoas frequentemente não procuram tratamento por não saberem reconhecer o problema ou por ainda não saberem que existem tratamentos adequados para os diferentes problemas.”

O Dia Mundial da Saúde (07 de abril) é um evento anual da O.M.S. A cada ano um novo lema é selecionado para realçar questões de saúde pública de interesse mundial. O dia mundial da saúde em 2001 foi dedicado a atividades de promoção da conscientização dos problemas de saúde mental. O objetivo principal foi provocar impacto na opinião pública e estimular o debate sobre como melhorar as condições atuais de saúde mental no mundo todo e diminuir a discriminação em relação ao doente mental.

Verdades e Mentiras sobre Doenças Mentais:

As doenças mentais são somente fruto da imaginação? Não. São doenças verdadeiras que causam muito sofrimento, podendo inclusive levar o doente à morte.

As doenças mentais são pura “frescura”, fraqueza de caráter, “doença de rico”? Não. As doenças mentais são causadas por fatores biológicos, psicológicos e sociais, e atingem todas as classes com a mesma intensidade.

Pessoas com doenças mentais são perigosas e devem ser excluídas da família, da comunidade e da sociedade? Não. Pessoas com problemas de Saúde Mental não representam perigo para a família, comunidade ou sociedade. Por esse motivo, devem ser tratadas adequadamente e inseridas na comunidade, sem medo ou exclusão. Assim, poderão levar uma vida normal, feliz e produtiva, como todo mundo.

Já existe tratamento e cura para doenças mentais? Sim. Já existem tratamentos efetivos e sem sofrimento, ao alcance de todos.

“Os estigmas são rótulos negativos usados para identificar pessoas que sofrem de doenças mentais e são barreiras que impedem os indivíduos e suas famílias de buscar ajuda.”

Você sabe o que é loucura?

Loucura é preconceito, é humilhar e excluir pessoas que sofrem de doença mental. Os mitos em relação aos problemas de Saúde Mental são responsáveis por enorme medo e vergonha e com isso contribuem para que muitas pessoas que necessitam de ajuda, não busquem tratamento por falta de conhecimento.

Atualmente, cerca de 400 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de perturbações mentais ou neurológicas, ou de problemas psicossociais, como o uso abusivo de álcool e drogas. A grande maioria sofre silenciosamente com sua doença, e também com a exclusão social que a doença provoca. A exclusão é resultado dos estigmas e preconceitos contra a doença mental.

Os estigmas são rótulos negativos usados para identificar pessoas que sofrem de doenças mentais e são barreiras que impedem os indivíduos e suas famílias de buscar ajuda, pelo medo de serem excluídos. É isso o que mais contribui para os baixos índices de busca por tratamentos adequados. Todo mundo está vulnerável a sofrer de problemas mentais, que são diagnosticáveis, tratáveis e podem ser prevenidos a tempo.

“Às portas do século XXI, ainda é imenso o preconceito em relação a “doenças mentais”.

Existe um alto risco de suicídio entre pacientes com esses problemas e a vida de uma pessoa com doença mental pode ser salva com um tratamento apropriado. O tratamento pode melhorar ou mesmo evitar o sofrimento do paciente e de sua família, diminuindo as limitações e consequências negativas na sua vida profissional e social. Já existem diversos tratamentos eficientes para muitos problemas mentais. Porém, as pessoas frequentemente não procuram tratamento por não saberem reconhecer o problema ou por não ainda saberem que existem tratamentos adequados para os diferentes problemas.

Nos últimos anos, foram registrados progressos significativos na compreensão e na atenção aos problemas de saúde mental, aumentando o conhecimento científico das causas das doenças mentais e os tratamentos disponíveis para a maioria destas doenças. As reformas da assistência em saúde mental, em várias partes do mundo, demonstram que redes de atenção em saúde mental de base comunitária representam uma abordagem eficaz para o tratamento e que há menos necessidade dos hospitais psiquiátricos tradicionais. Às portas do século XXI, ainda é imenso o preconceito em relação a “doenças mentais”. Antigamente, esse preconceito estava associado à falta de conhecimento sobre os distúrbios que afetam a mente.

Na Europa, durante a Inquisição, muitos doentes mentais foram acusados de bruxaria, de estarem “possuídos pelo demônio” e foram queimados em fogueiras nas praças públicas. Até 1801, quando o médico francês Henri Pinel libertou os loucos, estes ficavam acorrentados em prisões ou porões de castelos, como se fossem criminosos perigosos e só a partir de Pinel, a loucura passou a ser considerada uma doença, mas mesmo assim, durante todo o século XIX e na primeira metade do século XX os recursos que se dispunham para cuidar dos problemas mentais eram poucos e ineficazes e o tratamento continuava sendo inadequado, internando-se os pacientes em manicômios (hospitais para loucos) e asilos, onde permaneciam por longos períodos ou mesmo até o fim da vida. Utilizava-se nessa época, métodos cruentos e arriscados, como algumas cirurgias altamente incapacitantes (lobotomias) e também diversos tipos de choques (insulínico, cardiazol, malárico, térmico, e posteriormente o choque elétrico). Como em outras ocasiões na medicina, esses choques foram descobertos por acaso. O choque térmico, por exemplo, passou a ser utilizado após a observação de doentes mentais que apresentaram um comportamento mais calmo depois que a carruagem que os transportava caiu num rio gelado.

Apesar de todo o progresso conseguido em muitos outros aspectos de saúde, a saúde mental ainda não recebe a atenção e os recursos que mereceria. Por isso, a Organização Mundial de Saúde (O.M.S.) declarou o dia 07 de abril de 2001, o Dia Mundial de Saúde Mental, com o sentido de sensibilizar o público em geral e provocar uma mudança positiva na posição pública acerca da doença mental. A idéia é despertar a atenção para a questão da saúde mental e para a melhoria dos cuidados de saúde mental.

Hoje em dia, com o progresso da Medicina, especialmente no ramo da Psiquiatria após a “Revolução Bioquímica” da década de 50 e a “Revolução Científica” da década de 80 e a “Década do Cérebro” dos anos 90, cada vez mais o Transtorno Mental vem se inserindo no contexto dos problemas de Saúde Pública. Agora eles podem ser adequadamente identificados e diagnosticados, e mais importante ainda, já se conta com recursos terapêuticos específicos que possibilitam o tratamento ambulatorial, evitando-se assim as internações desnecessárias que muitas vezes tornavam-se hiatrogênicas por asilarem o portador de transtorno mental.

“O universo da saúde mental é bem mais amplo. Abarca das neuroses à ansiedade, da depressão a pânico e fobias. Milhões de homens e mulheres ao redor do mundo são afetados por esses problemas, mas pouquíssimos procuram ajuda. Por dois motivos: boa parte prefere esconder seu sofrimento, com medo de ser estigmatizada, e a maioria nem sequer desconfia de que seus sintomas são de uma doença mental. Com isso, distúrbios leves, de cura relativamente fácil, podem transformar-se em problemas crônicos e incapacitantes.”

Fonte: PUC – PR |  Revista Veja – Saúde

Não é só coisa de maluco

Milhões de pessoas sofrem de desordens mentais, mas não procuram ajuda por ignorância ou medo de ser estigmatizadas. A mais comum é a depressão.

Quando se fala em doença mental, a primeira imagem que vem à cabeça é a do louco de carteirinha – o esquizofrênico ou psicótico que rasga dinheiro, vive num mundo à parte, não fala coisa com coisa e costuma ter acessos de fúria só controláveis por camisa-de-força ou calmantes potentíssimos. É uma visão parcial e marcada pelo preconceito. O universo desse tipo de enfermidade é bem mais amplo. Abarca das neuroses à ansiedade, da depressão a pânico e fobias. Milhões de homens e mulheres ao redor do mundo são afetados por esses problemas, mas pouquíssimos procuram ajuda. Por dois motivos: boa parte prefere esconder seu sofrimento, com medo de ser estigmatizada, e a maioria nem sequer desconfia de que seus sintomas são de uma doença mental. Com isso, distúrbios leves, de cura relativamente fácil, podem transformar-se em problemas crônicos e incapacitantes.

A enfermidade mental mais comum é a depressão. A Organização Mundial de Saúde estima que ela atinja uma em cada quinze pessoas, não importa a latitude. A doença caracteriza-se por melancolia intensa (que é bem diferente de uma tristeza circunstancial) e por um desânimo avassalador. Um deprimido padece de falta de energia para executar as tarefas mais comezinhas e não vê graça em nada. Sua auto-estima despenca para níveis abissais e um inexplicável sentimento de culpa passa a atormentá-lo. Ele tem crises de choro repentinas e é tomado por dores sem causa orgânica definida. Seu padrão de apetite e sono oscila além do razoável. Nos casos mais graves, são recorrentes os pensamentos sobre a própria morte – cerca de 15% das vítimas cometem suicídio. É um tormento do qual é difícil enxergar a saída.

Os quadros de depressão dividem-se em leves, moderados ou severos. A doença tem um forte componente hereditário, mas ninguém está livre de ser atingido. Pode ser detonada por um acontecimento objetivo, como a perda de uma pessoa querida ou dificuldades profissionais, ou por razões subjetivas subterrâneas. Da mesma forma que ocorre em outras afecções mentais, a depressão provoca um desarranjo na química cerebral, ao diminuir os níveis de serotonina e noradrenalina, neurotransmissores responsáveis pela modulação do humor e do prazer. Os remédios antidepressivos promovem o equilíbrio dessas substâncias e, em geral, demoram um mês para começar a fazer algum efeito. O tratamento mais eficaz combina medicamentos e terapia, não importa a linha seguida pelo psiquiatra ou psicólogo. Quanto ao tempo de duração, depende de cada paciente. Dificilmente, no entanto, alguém consegue sair de um estado de depressão em menos de meio ano.

Outra doença mental que não pode ser subestimada é o medo patológico. Sua taxa de incidência na população brasileira gira em torno de 10%. Ele se apresenta como fobia específica (pavor de animais, de dirigir, de andar de avião etc.), fobia social (enorme dificuldade de interagir com as pessoas) ou sob a forma de ataques de pânico. Não raro, esse último é decorrência de um estado depressivo. Existem terapias psicológicas de choque que se ocupam do medo patológico em suas diferentes manifestações (veja quadro). Elas são indicadas para quem não tem disposição – existencial e financeira – de enfrentar um tratamento mais profundo como a psicanálise. Fobias específicas, garantem os profissionais adeptos dessas linhas terapêuticas, são controladas em dois meses. Fobia social e transtornos de pânico exigem um pouco mais de tempo para que o paciente apresente melhora: de seis meses a um ano. Dependendo do grau de intensidade do distúrbio, há a necessidade de associar o uso de antidepressivos. Se você acha que sofre de uma desordem mental como as descritas aqui, não hesite em marcar uma consulta com um especialista. Louco é quem não procura ajuda.

É depressão?

Muita gente usa o termo “deprimido” como sinônimo de “triste”. É um equívoco. Depressão não é uma tristeza episódica, mas uma doença mental que inclui sintomas físicos. Veja se você sofre ou não do problema.

.

CompartilheShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter
Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Deixe o seu comentário